A equipe artística
seus retratos

Autor e realizador, Christian Dura é um dos mestres da Revista em França. O Paradis Latin, deve-lhe em especial quatro grandes sucessos: as suas revistas Champagne, Hello Paradis, a Revista do Centenário e, há alguns anos atrás, a comédia musical o Rayon Bleu, que encantou milhares de espectadores jovens. Homem do teatro e da televisão, escreveu e dirigiu inúmeras peças, incluindo a “Femme de cristal”, momento alto do Festival de Avignon em 1995. Hoje os telespectadores conhecem-no como director artístico da série de televisão Os Simpson.

O cinema mobiliza igualmente todo o seu talento. Julgue por si mesmo: é o autor das adaptações francesas dos filmes principais de Steven Spielberg, George Lucas, Ridley Scott, James Cameron, Clint Eastwood, Robert Zemakis, Parker Alan, Brian de Palma, Oliver Stone, Pedro Almodovar, Mike Nichols, Ferrara Abel, e muitos mais ainda... Escreveu também os diálogos dos filmes musicais Autour de Minuit de Bertrand Tavernier, do Cotton Club de Francis Ford Coppola e do Bird de Clint Eastwood.

Christian Dura
Autor e realizador

Christian Dura Paradis Latin Cabaret Christian Dura Paradis Latin Cabaret Christian Dura Paradis Latin Cabaret
A música é o seu reino. Do disco para a televisão, dos filmes para a comédia musical e para a revista de cabaré: poderíamos definir assim o trajecto de Jean-Daniel Mercier. Orquestrou e dirigiu musicalmente os discos dos maiores (Trenet, Dalida, Antoine, Voulzy, Souchon e até mesmo do «fantoche» Yves Lecoq), compôs a música dos filmes Au revoir, À lundi (Miou Miou e Carole Laure), Rendez-moi ma fille e alinhou a das séries televisivas Arsène Lupin, as Evasions célèbres, Tom Sawyer, Os Três Mosqueteiros e outras.... Broadway deve-lhe a música das comédias musicais Os Incríveis e os Incríveis II, Séoul a do Rendez vous à Paris e Londres os «hits» da comédia musical «Y».
Mas a paixão escondida de Jean-Daniel Mercier é a revista de cabaré. Descobriu-a ... no Paradis Latin, ao lado de Jean-Marie Rivière que, diz ele, «ensinou-lhe o seu ofício» verdadeiramente e pediu-lhe para co-assinar a música de Nuits de Paradis. Mais tarde, Christian Dura, que aprendeu a apreciá-lo, pedir-lhe-á as músicas de Champagne, e de Hello Paradis. Finalmente, o Paradis Latin deve-lhe o sucesso da música do Viva Paradis e Paradis d’Amour, visto por mais de dois milhões de espectadores. Um imenso sucesso que contribui para reforçar a sua reputação e aquela, em todo o mundo, do Paradis Latin.

Jean-Daniel Mercier
compositor

Coreógrafa americana de renome internacional, granjeada nos dois lados do Atlântico, Molly Molloy assinou os bailados de vários grandes sucessos mundiais e, em especial, recentemente, as comédias musicais Chess na Brodway e Y, em Londres.
Multidisciplinar e dotada de uma criatividade eclética, realiza tão bem as coreografias de concertos de rock para Johnny Halliday como as de bailados para a Ópera de Paris ou a Comédia Francesa. Paradis d’Amour é a sua quarta revista para o Paradis Latin, após os sucessos de Hello Paradis, Champagne e Paradis d’Amour. Professora emérita, leccionou no Royal Ballet de Londres e na Ópera de Paris.

Molly Molloy
Coreógrafa

Um dos talentos mais promissores da geração de jovens estilistas franceses. Formada na riqueza das criações italianas e francesas. Formou-se no Institut de Haute couture Cataldo de Roma e na Escola Jeoffrey Byrs, em Paris.
Ingrid Israël colabora pela primeira vez com Guy Laroche e Jacques Esterel. Atraído desde cedo pela beleza dos fatos no cabaré, estreou-se no Paradis Latin a partir de1995 em alguns cenários recém-criados pela Revista Viva Paradis. O seu sucesso garantiu-lhe o privilégio de lhe ser confiada a concepção de todos os fatos do espectáculo Paradis d’Amour.

Ingrid Israel
Guarda-roupa

Jacques Rouveyrollis é sem dúvida o mais famoso «criador de luzes» de França. Aznavour, Souchon, Cabrel, Dutronc, Sardou, Halliday, Jean-Michel Jarre, e outros, devem-lhe a ele a iluminação dos seus espectáculos. No teatro, Jerome Savary, Alfredo Arias, Jean-Luc Tardieu, Jean-Luc Moreau é a ele que recorrem. Na ópera, tratou da iluminação para Roman Polanski, Maurice Béjart e do lado das comédias musicais iluminou Starmania, a Lenda de Jimmy, Lili Passion, Romeu e Julieta em 2005 no Coliseu de Roma, Ben Hur, no Stade de France em 2006.... Um talento reconhecido e consagrado por dois Molière de 2000 e 2002 para a Melhor Iluminação.

Jacques Rouveyrollis
Iluminaçãos